22 Setembro - Dia Europeu sem Carros

Já há alguns anos assistimos a esta iniciativa que teve maior enfase e difusão nas suas primeiras ocorrências, isto porque Portugal, mais uma vez, acompanhava uma iniciativa europeia. Actualmente, como já é banal, poucos são os que se lembram do evento.
Eu assumo-me como um dos que nem sequer sabia que hoje era dia 22/09. Sou assim um dos muitos que é recordado pela rádio, pois a informação das ruas condicionadas ao transito começou a ser divulgada logo de manhã cedo.
Ainda me lembro de ver grande parte de Lisboa e do Porto aberta apenas à circulação de transportes publicos ou serviços de emergencia e uma grande transmissão televisiva de um canal privado a partir do parque Eduardo VII, com vista para uma Av da Liberdade, onde alguns skaters se arriscavam entre os bus e os taxis.
Mas isso foi o 1º ano! Actualmente, temos vindo a verificar que o nº de ruas condicionadas diminui significativamente e que o dia europeu sem carros apenas vem confirmar que, em Portugal, não existem condições para que os carros fiquem na periferia e apenas os veiculos de transporte publico circulem nas cidades.
Exemplo muito evidente é o caso da cidade do Porto, cheia de obras, dentro e fora dos limites periféricos e sem soluções para os cidadãos que todos os dias vêm para cá trabalhar! Pior que isto, só mesmo ter que pagar para vir trabalhar (Ponte 25 Abril em Lisboa); mas não se riam, pois o IC1, futura A28, não demorará a ter uma taxazita...
Num anuncio da rádio, ouvi dizerem que a população, o povo, deixasse os seus veiculos nos parques gratuitos de Matosinhos e da Sra da Hora(NorteShopping) devido às obras do famoso e irracional Nó de Francos. Esqueceram-se foi que a confusão do transito começa mais atrás nas obras entre Perafita e a ponte de Leça(com data fim prevista para Dezembro).
Meus caros, o Porto é uma cidade que não permite que os carros fiquem "lá fora", pois tem um sistema de transportes deficiente e desarticulado e não tem uma rede de transportes out->in, nem eficaz nem ineficaz, simplesmente não tem.
Cometeram o crime de retirar a milhares de pessoas o direito ao uso do comboio (entradas norte) e as alternativas que colocaram ao dispor dos mesmos são insuficientes, ineficazes e com espaçamentos de horários/horários próprios para desempregados, na maior parte do tempo.
Num país europeu, numa cidade que já foi capital da cultura, como podemos admitir tal situação e ao mesmo tempo pregar para uma causa ainda e sempre impossivel, como é o Dia Europeu sem Carros?

0 comentários: